Resenha: Quem Mexeu no meu Queijo?

Título: Quem Mexeu no meu Queijo?
Original: Who Moved My Cheese?
Autor: Spencer Johnson
Gênero: Ficção
Literatura: Americana
Ano: 2001
Páginas: 112
Editora: Record
ISBN: 978.850.105.402-9
Avaliação CL: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️+❤️

O livro de Spencer Johnson além de ser um livro atemporal, foi e ainda é um livro que auxilia muitas pessoas e empresas a enfrentarem seu próprio “eu” e a se desafiarem em novas conquistas.

Essa é uma daquelas histórias em que se apaixona-se de primeira, que pode ser lida repetidamente e, partilhada com outras pessoas. Por alguns é até considerada como auto-ajuda…

O que você faria se não tivesse medo?

O livro apresenta três histórias dentro do título “Quem mexeu no meu queijo?”. A primeira é a de Kenneth Blanchart, autor e um dos que ouviram a história de Spencer, antes de ser publicada. Ele relata como sua vida mudou após ter colhido alguns ensinamentos do texto do colega.

A segunda, é já dentro do enredo do livro, intitulada “Uma reunião”. Onde ex estudantes voltam à antiga escola para conversarem sobre a vida, problemas e dificuldades que estão enfrentando.

Na terceira, é a história que um dos colegas, Michel, lhes conta: “Quem mexeu no meu queijo?”. Como ela o transformou como ser humano, e como o ajudou-o a aprimorar seus negócios.

E então, somos apresentados “A história”.

Há muito tempo atrás, quatro personagens habitavam um labirinto. Dois ratinhos, Sniff e Scurry, e dois duendes, tão pequenos quanto ratos, mas que agiam como pessoas, Hem e Haw.

Todos os dias os quatro saiam de seus postos em busca de um queijo novo, algo especial. Colocavam suas roupas de corrida, percorriam por um longo tempo o labirinto, até encontrarem espécies de queijo, e talvez, algum lugar farto para viverem. Eles não sabiam como, nem o por quê de queijos aparecerem misteriosamente por lá, mas sempre seguiam em busca, como em uma missão.

Hem e Haw sentiam-se superiores aos roedores, pois tinham cérebros racionais, enquanto Sniff e Scurry, agiam sempre por seus extintos.

O labirinto era um emaranhado de corredores e divisões, algumas contendo um queijo delicioso. Mas também havia cantos escuros e becos sem saída. Era um lugar fácil para se perder.”

Os ratos possuíam estratégias simples, porém eficazes na procura. Se achassem um corredor vazio, simplesmente davam meia volta e continuavam a busca.

*

É chegado um dia que, os quatro encontram seus queijos desejados, bem ao fundo do Posto C, recheado de inúmeros pedaços de comida. Então, todas as manhãs eles corriam diretamente para lá, e satisfaziam-se. E logo, eles caem na rotina, e os duendes decidem se mudar para mais perto do posto.

Todos os dias os ratinhos examinavam seu estoque, cheiram seus queijos, – para verificar a validade, contavam e somavam o quanto tinham consumido do total. Diferentemente, os duendes simplesmente chegam ao posto sem muita pressa, comiam, e voltavam para casa.

Até que o queijo se esgota para todos, e sobram apenas restos de alguns tipos não muito bons. Rapidamente Sniff e Scurry calçam novamente seus tênis de corrida, e partem em busca de seus queijos desejados. Enquanto Hem e Haw ficam estagnados e perplexos, sem acreditar no que lhes acontecera.

Passa-se muito tempo desde que o queijo do Posto C esgotara, e os duendes persistem em caminhar até lá, na esperança de que milagrosamente mais queijo brote.

Os ratos muito longe dali, já encontram um novo posto, e continuam com sues extintos, para assegurarem de o queijo não se esgote tão rapidamente.

Até que Haw cai em si, e diz para o companheiro que já não é hora de correr atrás do que não lhes dará mais nada! Que é hora de encontrar algo novo. Hem cheio de crenças e incrédulo, não está aberto para mudanças.

Haw cansa-se de esperar que Hem raciocine, e acredita na realidade. O abandona, e sai em busca de seu queijo.

Aos poucos ao longo do caminho, ele vai aprendendo consigo mesmo, e da situação que passou, e deixa mensagens nas paredes do labirinto, na esperança de que algum dia Hem sai do Posto C, e as veja:

Se Você Não Mudar, Morrerá.”

*

Puro amor por essa história que está dentro de outra história. ❤️

O “Queijo” tão citado, é uma metáfora. É tudo aquilo que buscamos na vida, é tudo que almejamos e algum dia, conquistamos.

Temos que ser como os ratinhos, saber quando é o momento que é necessário mudança, correr por algo melhor.

Comentários

Comentários