Resenha: A Mão e a Luva

Título: A Mão e a Luva
Autor: Machado de Assis
Gênero: Romance
Literatura: Brasileira
Ano: 2012
Páginas: 119
Editora: Nova Fronteira / Saraiva de Bolso
ISBN: 978.85.209.3100-4
Avaliação CL: ⭐️⭐️⭐️⭐️⭐️

Machado de Assis, o queridinho dos estudantes de Letras. E não é para menos, o cara é simplesmente deslumbrante.

Apesar de os novos leitores e leitores juvenis o acharem complexo, e de uma leitura difícil e rebuscada, não é nada disso! O que acontece é que, como a escrita é do século XIX, não conhecemos ou não temos costume com determinadas palavras, o que acontece também quando conversamos com alguém muito mais velho. O diálogo acontece, não é mesmo? Com os textos Machadianos também é possível. Vamos saber por que Machado é “o cara”, agora?! Acompanhe a resenha.

Resenha: A história de A Mão e a Luva foi originalmente publicada em folhetim semanais (jornal de época onde um capítulo era publicado por semana), de setembro a novembro de 1874. Daí, surgiu a junção dos capítulos que compõem a obra.

Machado de Assis inicia o livro, como quase em todos os outros, comunicando em advertência, que a obra é algo singelo, inacabado, fruto de um devaneio, e que não devemos esperar muito. Equando lemos, é claro, é uma baita obra!

Sobre a história…

No primeiro capítulo, do começo ao trecho grifado, pode-se ver uma forte crítica irônica do autor ao Romantismo:

Romantismo esse que ele fez parte. Mas os tempos eram outros, e o mesmo estava em transição para o Realismo. Estêvão, uma das protagonistas, é um ícone romântico: apaixonadamente louco e melancólico.

Por aí já sabemos o que esperar.

A narração é em terceira pessoa de um narrador onisciente, que tudo sabe, mas nem tudo revela. Machado tem um jeito único, convida o leitor a participar da história. É como se estivéssemos em uma roda de conversa, onde ouvimos atentamente o que tem a contar.

A narrativa gira em torno de um quadrângulo amoroso. Isso mesmo, três rapazes que morrem de amores por Guiomar.

Estêvão e Luís Alves, os mesmo que iniciam a narrativa, são amigos. Estêvão divide suas dúvidas e dificuldades com Luís. Este que o aconselha a nunca desistir e manter a calma e esperança no seu amor.

Luís Alves, como o próprio narrador o descreve, é um ambicioso. Não chega a ser de má fé, sabe bem o que quer.

Guiomar é uma mulher fria, e em parte manipuladora e dissimulada (tendo resquícios de Capitu, de Dom Casmurro).

O romance acontece no Rio de Janeiro do século XIX. As famílias eram rígidas, e o namoro era algo sagrado, que deveria ser consagrado e pedido à família da desejada.

Estêvão acredita que ama Guiomar, tendo-a visto uma única vez seis meses atrás, e cegamente acredita que ela o ama também. O que não é bem assim.

Guiomar frequentava um orfanato depois que perdera o pai, e logo em seguida a mãe. A tia de Estêvão era professora lá, e assim eles se conhecem. A madrinha da moça, uma baronesa, convida-a para morar com ela.

Depois que sua filha morre, ela apega-se muito a Guiomar, chegando a ama-la mais que a própria filha que falecera.

A partir de então, a narrativa decorre para dois anos mais tarde. Onde Estêvão está formado, e encontra a antiga paixão em um teatro, na companhia da baronesa. Ele a deseja tanto, e a cobiça. A garota agora é ainda mais madura, despensa-o rapidamente e ataca-o dizendo que: “já é hora de você virar homem”.

Estêvão mais tarde comenta com Luís Alves sobre a moça. Ele afirma conhece-la de vista, pois frequenta a casa de Guiomar, com a função de advogado da família.

Em toda a narrativa, Guiomar nunca dera brecha para Estêvão. O amor do romântico é idealizado somente em sua própria mente (Romantismo puro).

Jorge, é o sobrinho da baronesa. Por sua vez tem como cúmplice Mrs. Oswald, senhora inglesa que é governanta da casa e, braço direito da baronesa. Ele age de má fé, e somente quer pedir a mão da moça para ficar mais rico. Pedido este que a tia apoia, pois acredita ser benéfico que a herança fique em família.

Guiomar tem por decidir entre: Estêvão, Luís Alves e Jorge. Qual luva seria ideal para sua mão.

⁃ A seguir contém spoiler.

Ela nunca correspondera Estêvão, jamais gostara de Jorge, e Luís Alves, a atraia.

Guiomar era esperta, sabia o melhor para ela. Sutilmente manipula a tia, para que ela renegue seu maior desejo, que é vê-la com Jorge, e faz com que a madrinha perceba que Luís é quem o coração dela quer.

Após a confirmação e pedido de casamento, Guiomar tem a certeza que a ambição do homem que escolhera, é uma virtude. E que eles se completavam perfeitamente.

Uma história incrível, com um texto descritivo e cheio detalhes, que merece uma atenção e certamente, um segunda leitura.

Comentários

Comentários