A Filha Perdida

Título: A Filha Perdida
Original: La Figlia Perduta
Autor: Elena Ferrante
Gênero: Romance
Literatura: Italiana
Ano: 2016
Páginas: 176
Editora: Intrínseca
ISBN: 978.855.100.032-8
Avaliação CL: ⭐️⭐️⭐️

Elena Ferrante tem feito muito sucesso com seus títulos nos últimos anos. Apesar de sua identidade ainda ser desconhecida, – utiliza-se de pseudônimo para seus escritos, tem sido muito aclamada no mundo literário.

Com uma escrita propriamente única, Elena em “A Filha Perdida” tece todo o romance com linearidade, ou seja, sem muitos altos e baixos. Um livro com poucos eventos, mas com muitos conflitos em que tomamos para nós, da protagonista Leda.

Mãe de duas filhas já adultas, – em que na infância as deixara por dois anos, somente aos cuidados do pai, é uma mulher de opinião forte e de pulso firme.

Ao longo da narrativa, vemos uma Leda a todo tempo lutando com seus conflitos internos, seu passado e presente.

De férias no literal, ela conhece uma família napolitana, onde se identifica muito com a jovem mãe em desespero com uma criança que só chora, e uma mulher que se desgasta e que certamente gostaria e muito de sumir por um tempo, – assim como ela fizera.

O livro aborda sobre a maternidade, que nem tudo são flores e sorrisos, a relação de mãe e filha, que geralmente é muito mais exigida da sociedade do que a de pai e filho. Influenciada por um casal no passado, em meio a seus tormentos, Leda foge de tudo, por um tempo, pelo simples fato de querer um tempo para si, viver.

É angustiante os momentos em que a protagonista lembra de si, jovem e sem saber como criar duas filhas… Algo em que poucos, se não nenhum livro atual, relatara tão bem como a autora.

O grande porém da história, é que esperamos mais, e esse mais não acontece. Um final singelo, que faz com que o leitor se pergunte: “mas já acabou?”.

 

Comentários

Comentários